Apresentação

Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

A Avaliação Institucional é ferramenta para a tomada de decisão, para a melhoria da qualidade educativa e o cumprimento da missão e responsabilidade institucional; acontece com vistas ao Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e com o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), criado pelo Ministério da Educação por meio da Lei n. 10.861, de 14 de abril de 2004, com a finalidade de melhorar a qualidade da Educação Superior. Constitui processo reflexivo, formativo e autocrítico, envolvendo as diversas dimensões da vida universitária, como o ensino, a pesquisa e a extensão, bem como seus objetivos.

A Avaliação Institucional contempla duas modalidades: a autoavaliação e a avaliação externa. A autoavaliação é coordenada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Facisa, constituída por representantes de professores, estudantes, técnico-administrativos e comunidade externa. A CPA conduz os processos de avaliação interna, produzindo relatórios analíticos, que são encaminhados à Gestão da Instituição para as melhorias necessárias. A avaliação externa, por sua vez, é de responsabilidade do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) e é realizada por meio de três instrumentos: avaliação das Instituições de Ensino Superior, avaliação dos Cursos de Graduação e avaliação do desempenho dos estudantes, que ocorre mediante o Exame Nacional de Desempenho do Estudante (Enade).

A CPA conta com o suporte de Grupo de Apoio Técnico e trabalha de modo integrado com o Setor de Planejamento Institucional. É papel da Avaliação Institucional subsidiar a gestão e demais segmentos da comunidade acadêmica, por meio de relatórios decorrentes de processos avaliativos internos e externos, com os objetivos de atender à missão e aos objetivos institucionais expressos no PDI, contribuir com o desenvolvimento da Facisa e reorientar suas ações para a melhoria da qualidade educativa.

A legitimidade dos processos avaliativos desencadeados pela CPA advém da participação intensa da comunidade acadêmica e da sociedade civil organizada, tanto na validação dos instrumentos quanto na participação enquanto sujeitos do próprio processo de avaliação. Isso implicará a criação de espaços de diálogo com os mais diversos interlocutores institucionais e comunitários.
Entende-se que a legitimidade dos processos avaliativos desencadeados pela CPA advém da participação intensa da comunidade acadêmica e da sociedade civil organizada, tanto na validação dos instrumentos quanto como sujeitos do próprio processo de avaliação. Assim, a avaliação será eficaz e produzirá as melhorias necessárias à qualidade institucional e acadêmica.